sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Eu odeio Candy Crush!


- Sweet illusion: 400 níveis a serem ultrapassados.
- O jogo mais popular da história do Facebook, é jogado mais de 600 milhões de vezes por dia e tem mais de 50 milhões de usuários.
- Uma vitima do jogo assumiu em uma entrevista ter gasto U$236,00 com o jogo antes de perceber que estava viciada.

Resolvi escrever sobre isso depois de assistir 2 situações tristes envolvendo filhos, mães e Candy Crush.

A partir do dia que decidi escrever o post até hoje, eu fiquei atenta a várias pessoas que são usuárias desse jogo, foquei nas pessoas que passam muito tempo jogando (que é o caso das mães que vou mencionar abaixo), e escutei várias justificativas: "quando jogo eu não sinto solidão", "estou estimulando minha memória" (comprovadamente isso não acontece), "é melhor jogar do que ficar brigando com os outros", "eu jogo só um pouquinho" (depois de contar 3 quase acidentes provocados pela falta de atenção porque estava jogando), foram algumas bobagens que eu escutei.

Perguntei ao meu quiropraxista Dr Arnaud Ramos sobre os malefícios de ficar tantas horas jogando; entre eles: inflamação no tendão do dedo, inflamação do pulso, cotovelo e ombro, além de distensão da coluna. 
Questionei também o meu oftalmologista, Dr. Luiz Otávio B. Guarnieri, e sua resposta foi: a CVS (Computer Vision Syndrome). Seus principais sintomas são: dor de cabeça, olhos vermelhos, lacrimejamento em excesso ou olho seco, sonolência e vista cansada. Em casos extremos pode ocorrer até o descolamento da retina!

Pelo amor de Deus gente, eu não estou dando diagnóstico aqui, se você fica muitas horas no celular/computador e sente algum sintoma ou desconforto, procure um médico, OK?

O que eu quero dizer com esse post, é que na minha opinião, além do o mal que os viciados em Candy Crush fazem a si mesmos, o mais triste é o que fazem com as suas famílias, seus filhos, seus pais. 
Os 2 casos que eu vi e me incomodaram eram filhos tentando falar coisas importantes e suas mães completamente abduzidas por esse joguinho, nas 2 cenas que eu presenciei as mães perderam momentos mágicos. Espero que pelo menos elas tenham mudado de fase.

Numa das cenas, mãe e filha estavam no metrô voltando para casa depois da menina passar o final de semana na casa do pai, a adolescente estava toda nervosa e emocionada contando para a mãe que tinha dado seu primeiro beijo, a reação da mãe com o rosto colado na tela do celular foi um simples: "Ah que legal"
Mesmo que essa menina conte de novo pra ela sobre o beijo, a emoção de falar sobre isso pela primeira vez nunca mais voltará, ela perdeu, espero que pelo menos tenha passado de fase no jogo...

Na outra cena, dessa vez no ônibus, a mãe tinha acabado de pegar o filho na casa do pai, o menino todo feliz tentando contar para a mãe que tinha aprendido a andar de bicicleta sem rodinhsa, a reação da mãe: "que ótimo, agora fica quieto que eu estou tentando me concentrar".

Aí você me pergunta: por que fazer um post sobre isso no blog da Boadrasta?
Porque nos 2 casos as crianças voltavam da casa do pai, e se elas tiverem a sorte de ter Boadrastas que não são viciadas em Candy Crush, essas mulheres dividiram com eles essas emoções. É muito triste saber que essas mães perderam esses momentos mágicos não por conta de algum motivo importante, mas por conta desse jogo ridículo que rouba a vida das pessoas.

Caro leitor(a), se você perceber que esse joguinho está roubando sua vida, procure ajuda, isso não é brincadeira!

Até semana que vem.

Links Relacionados.
Postar um comentário