sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Minha primeira vez


Atenção pessoal, hoje tenho alguns recados antes de falarmos sobre a minha primeira vez:

Recado 1- Estamos chegando no nosso 10° post e quase 1500 views. Analisando a movimentação de vocês, resolvi mudar as postagens para segunda-feira, que é o dia de maior visibilidade. #ficaditoorecado

Recado 2- Algumas pessoas que encontrei através do blog se interessaram em dividir suas histórias com a gente, por isso gostaria de convidá-los a me contar alguma experiência para que eu possa dividir com as leitoras do blog. Por isso no post de hoje eu conto: A minha primeira vez!

Foi em 1994, eu tinha 22 anos e depois de uma grande desilusão amorosa decidi passar uns tempos em Fortaleza. Depois de alguns meses por lá conheci uma pessoa muito especial, com quem eu comecei a namorar, não demorou muito para ele me apresentar seu filho Iago. 

Lembro até hoje da sensação que eu tive ao olhar aquele bebezinho lindo de apenas 06 meses, loirinho, foi paixão à primeira vista. Eu não fazia nem ideia que viveríamos coisas tão fortes e importantes juntos.

O pai e a mãe do Iago não se relacionaram, já fizeram logo ele, por isso eu nunca tive que lidar com o ciúmes da mãe, muito pelo contrário, ficamos amigas rapidamente. Porém, quando ele era pequeno ela passou por uma fase de muitas viagens e como ele ainda não frequentava a escola, passou períodos bem extensos comigo e com o pai. Foi um tempo em que descobri mais profundamente o que era esse universo louco e desconhecido que é amar o fruto de uma história que não era a sua.

Aprendi a trocar fralda, preparei e dei muita mamadeira, vi o cabelo nascer e a gengiva coçar quando seus dentes nasceram (não vi os dentinhos trocarem porque eu já tinha voltado pra Sampa), fomos centenas de vezes à praia, eu sabia preparar a comida dele do jeitinho que ele mais gostava, eu o embalava para dormir na rede cantando Marisa Monte (coitado, espero que não tenha ficado com trauma dessa parte :-), cuidei dele várias vezes, fosse por virose, diarreia, machucados e etc...

Em 1999, quando ele tinha 05 anos eu decidi voltar para São Paulo, faz 15 anos que não nos vemos ,mas nos falamos por telefone com alguma freqüência e agora pelo Facebook. O carinho que temos até hoje um pelo outro me mostra que amor não tem medida, ele é algo que quando construído com pureza é muito mais profundo que o tempo e a distância.

Estamos planejando um reencontro para 2014, espero que Deus nos abençoe e esse abraço possa mesmo acontecer.

Quando decidi criar o blog, escrevi para o pai do Iago e para a mãe da minha enteada contando que tudo começou porque um dia eles confiaram em mim e a resposta deles foi linda e afetiva. O que me mostra que tudo vale a pena quando a alma não é pequena, no fundo, o que permanece mesmo é o amor.
Postar um comentário