segunda-feira, 7 de julho de 2014

Animais de estimação



Esses dias escutei da minha mãe um caso curioso e resolvi fazer esse post.
A vizinha que mora embaixo do apartamento da minha mãe tem dois filhos e seus filhos um cachorro. No final de semana as crianças foram para a casa do pai e a mãe não dormiu em casa de sábado para domingo, o cachorro chorou a noite inteira incomodando vários vizinhos. Quando o pai chegou para devolver os filhos, os vizinhos abordaram ele reclamando do cachorro e falando que era para eles levarem o cachorro junto quando fossem para a casa do pai. O coitado do pai  que nem mora no prédio, foi cordial e ficou de tentar encontrar uma solução junto aos filhos.
Quando decidimos ter o Aslam (nosso boder collie) foi um processo que durou um ano entre pesquisar que raça teríamos, adaptar a casa para ele, nos organizar para recebê-lo (qual a época do ano que estaríamos com tempo mais disponível para essa adaptação) e saber como adestrar. Nem eu nem meu marido tivemos cachorro antes e precisávamos fazer isso com consciência e responsabilidade.
Quando decidimos tudo sobre o cachorro conversamos com a mãe da minha enteada e desde o início ficou decidido que ele não iria para o apartamento dela. A minha enteada sabia que ele ficaria aqui na nossa casa. Ele chegou aqui um dia antes do aniversário dela e a dinâmica da casa mudou bastante. Toda essa mudança foi super positiva para o comportamento dela. Ela ficou mais calma, participativa, generosa, ela viu o pai sendo severo para corrigir o Aslam pequenininho (um lado que até então ela nunca tinha visto) entre outras novidades que a chegada de um cachorro trás . A vinda do nosso cachorro para nossas vidas foi notoriamente positiva para todos nós.
Num determinado momento minha enteada quis ter um animal de estimação na casa da mãe, e por um tempinho elas tiveram um aquário pequeno com peixinhos.
Particularmente acho muito positivo as crianças terem animais de estimação, mas, entendo que cabe aos adultos conduzir esse assunto com responsabilidade, conversar, determinar os limites, obrigações e a rotina desse animal. É importante mostrar para as crianças desde o primeiro momento que nós somos responsáveis pela vida desse animal, uma vez que colocamos ele na nossa vida.
Na hora de decidir sobre incluir um animal de estimação na vida do seu enteado acho bacana ponderar qual casa será principal, a relação do pai e da mãe com o animal escolhido e que tipo de responsabilidade o enteado terá com relação a ele .
Beijo e até sema que vem.


Boadrasta nas redes sociais
Instagram - @boadrastacom
Twitter - @blogboadrasta

Postar um comentário