terça-feira, 15 de setembro de 2015

Um tapinha não dóí ?!?! Dói,sim!

Essa semana eu estava conversando com umas amigas sobre a famosa Palmadinha de correção. Não gosto de falar bater, acho muito forte, mas uma palmada de vez enquadro , será que funciona ? Será que educa?

Eu particularmente levei várias, eu era uma criança muito traquina.  
Não, não sou nem um pouco traumatizada por isso, sempre entendi que a minha a mãe estava me corrigindo por me amar!

Uma dessas amigas, mãe de 2 meninos (4 e 6 anos) disse que não dava para não dar umas palmadas ocasionalmente, pois sem elas seus filhos (ocasionalmente) saem do controle.  Acho que as vezes as crianças “pedem” essas palmada, querem ver até onde vai o limite dos pais.

Num determinado momento da conversa eu disse que madrastas não podem bater em enteados por mais fora do controle que eles estejam. Uma delas me perguntou, mesmo que a mãe “permita” uns tapinhas?? Respondi, nem assim.  

Primeiro que eu acho que pouquíssimas mães falariam pra madrasta dar umas palmadas em seus filhos, mas mesmo que isso aconteça não devemos fazer.

Eu entendo que dentro da afetividade da criança apanhar da madrasta é muito violento, principalmente se o papel da madrasta na vida dessa criança não for muito definido.

Certa vez uma outra amiga me disse que quando ela era criança tomou uns tapas da Madrasta do pai (avódrasta dela) e que seu pai ficou tão ofendido com isso que passou 15 anos sem falar com ela e sem visitar a casa do pai (avô da minha amiga). Ele como enteado se sentiu muito ofendido.

Tenho o privilégio de ser madrasta de uma menina super afetiva e comportada, mas confesso que nesses quase 09 anos de convivência já surgiram ocasiões que me  deu uma vontadinha de dar uma palmadinha . Quando isso aconteceu  eu escolhi conversar e quando foi algo mais grave esperei meu marido (o pai) chegar para ele decidir o que fazer.

Certa vez eu fiquei tão brava com ela que chorei,  quando ela me viu chorando ficou super preocupada e arrependida, ela sabia que tinha sido sério e que eu  tinha ficado tão triste que chorei. Isso me deixou mais próxima dela e fez com que ela se lembre disso quando está pensando em aprontar alguma travessura.

O importante é que nós  madrasta devemos saber que existem coisas que os pais devem fazer e nós não, palmadinhas corretivas é uma delas.

Um tapinha da madrasta pode doer muito mais que imaginamos, mais uma vez eu digo tenham paciência com seus enteados, conversem, observem eles,  muitas vezes atrás de uma aprontação ou uma birra tem uma criança com dificuldade em lidar com seus sentimentos!

Bj grande e até o próximo post!

 
Postar um comentário